Lenda punk dos anos 80, Inocentes se apresenta nessa sexta em Joinville

Entre 1986 e 1989, os Inocentes lançaram três álbuns que são marcos do punk rock nacional

A história dos Inocentes precisa ser contada desde 1980, quando Clemente, depois de assistir a shows de bandas como The Clash e Devo, em São Paulo, decretou: “É isso que quero fazer da vida”. Então baixista da obscura Condutores de Cadáver, Clemente reformulou o Condutores e chamou alguns amigos – o guitarrista Antônio Carlos Callegari, o baterista Marcelino Gonzales e, posteriormente, Maurício para o vocal – para montar o Inocentes, que em 1982 entraria na coletânea Grito Suburbano, com Cólera e Olho Seco. O disco fez parte da explosão do movimento punk no Brasil.

Em 1986, pelas mãos do Titã Branco Melo, chegaria à Warner uma demo que resultaria no mini LP Pânico em SP (1986), uma paulada com seis músicas sensacionais. A ele, seguiram-se Adeus Carne (1987) e a reedição na íntegra do EP Miséria e Fome (1988), que foi gravado em condições precárias em 1983, enviado à Censura Federal – órgão do regime ditatorial brasileiro que “analisava” conteúdo artístico -, que vetou nove das treze faixas, transformando o que seria um álbum em apenas um compacto duplo lançado de forma fantasma pela gravadora indie Devil Discos. Em 1989 foi a vez de Inocentes (1989), álbum produzido por Frejat, que marcou a entrada da banda numa época de desentendimentos e que culminaria com a saída da Warner.

O show da banda ocorrerá no Porão da Liga, nessa sexta-feira (06/04), com início previsto para as 22h.
Os ingressos antecipados estão a venda na Rock Total Discos, no Porão da Liga e no site Ticketcenter.com.br.
O lote promocional custa R$ 20,00, por tempo limitado.

Gostou do conteúdo?


Curta a nossa fanpage no Facebook:  
e siga-nos no Twitter:  

O Metranca agora está aceitando conteúdo enviado pelos leitores!
Confira em: https://coletivometranca.com.br/contribua-com-o-metranca/

Veja Também

Giovanni Cabral
Sobre Giovanni Cabral 43 Artigos
Um genuíno caipira hipster das sombras que aprendeu a lidar melhor com os seus fracassos do que com qualquer vitória ilusória. Aqui e em outros escombros da internet, sou divulgador, pseudo-crítico e produtor de arte.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*