Cinema

Steve Cutts lança nova animação: Happiness

Vocês já devem ter visto alguma animação do Steve Cutts por ai. Bem provável que tenha pipocado na time-line do facebook. Seus vídeos tratam de críticas sociais na forma de animação e são geralmente curtos, uma mistura que os transformam em fenômenos virais. Não sabemos ao certo se esta a intenção de Cutts é viralizar, mas uma coisa é certa, seu trabalho é único. Ele é um ilustrador inglês que já trabalhou em empresas como Coca-Cola, Sony, Toyota, Reebok e Playstation. Mistura sátiras, provocações e polêmicas através de temas que vão de meio ambiente à consumismo. Em sua nova animação, Cutts trata da busca pela felicidade, confira:

Cinema

Festival Internacional de Curtas-Metragens de Joinville tem início nesta terça-feira

É proposto para este Festival Internacional de Cinema uma programação extensa, oferecida diretamente para comunidades carentes, associações de bairros, clubes sociais e uma variedade de espaços municipais e comunitários com dificuldade de acesso a estes produtos e dinâmicas cinematográficas. As sessões estão divididas conforme a imagem acima e o catálogo completo da grade, informações sobre os filmes selecionados e sinopses podem ser conferidos no site do festival

Cinema

La Danza de la Realidad: um encontro de si mesmo na cinebiografia de Jodorowsky

Eu acho fascinante a maneira como o cinema pode servir na exploração do nosso próprio ser, por estímulos audiovisuais nunca imaginados anteriormente. Não pela sua técnica, mas pelo seu conteúdo, sua temática e daquilo que se desperta, através das emoções, em cada um de seus espectadores. Fico extremamente feliz quando um filme tem esse efeito em mim, e vou deixar abaixo uma breve descrição sobre ele, para algum leitor do Metranca se interessar e talvez sinta algo semelhante após vê-lo Alejandro Jodorowsky é um diretor que ficou marcado por uma linguagem única e intensa, buscando (e encontrando) um elo entre o onírico, o poético e o surreal. Desta fusão surgiram obras que mexeram com figuras que vão de David Lynch à John Lennon, que inclui Fando y Lis (1968), El Topo (1970) e A Montanha Sagrada (1973). Entre o que o se torna único nos elementos visuais que ele aborda, costuma ser […]