Livro infantil mostra história de amor entre dois príncipes e princesa que se recusa a casar

Confiram o post compartilhada de forma integral do blog PadecernaInternet: “Os Príncipes e o Tesouro”, do professor universitário Jeffrey A.Miles, deve ser o primeiro livro infantil com temática gay da história.  Tudo começa como um conto de fadas típico: o Rei decide que está na hora da filha, Elena, “encontrar um marido”. Mas as semelhanças param por aí. A princesa, logo avisa o pai: “Eu não estou pronta para casar!” Elena é sequestrada por uma bruxa e o Rei, desesperado, lança um desafio aos súditos: Quem salvar a princesa ganhará “a mão” dela. Dois lindos homens começam a busca – não porque querem se casar e sim porque adoram um desafio. Enfrentam vários perigos e se apaixonam. Resgatam Elena, que confessa: quer tudo na vida, menos se casar com um príncipe. O final é feliz: Gallant e Earnest se casam, com direito a cerimônia religiosa.  A história é classificada como infantil mas, pelo apelo e […]

30 de Janeiro – Dia Nacional da Saudade

“Saudades, só os portugueses conseguem senti-las bem. Porque têm essa palavra para dizer que as têm”. Fernando Pessoa está certo, porque além do nosso idioma, a palavra só existe no gaulês. Marinheiros portugueses,além de espelhos e contas, trouxeram no bojo de suas caravelas uma angústia muito grande, uma falta de suas casas. Assim, aqui, sob o céu tupiniquim, foi cunhado o termo Saudade. Derivado do latim “solitáte” (solidão) e influenciado pelos termos saudar e saúde,o “velho-neologismo” fincou raízes na língua, e no peito de poetas ultra romancistasa sambistas. Em outros idiomas, existe só o “sentir falta” ou “pesar”: “Miss”, “Sehnsucht”, “Te extraño”, “Regret”. Mas, o que limita muito a dor no peito, que espartilha até ele quase não suportar o bombeamento de memórias, chamamos de saudade. Até eu já defendi que “saudade”era muito vago e inteiramente injusto, não poderia ser classificado apenas como substantivo. Ela, a saudade, é amorfa, anacrônica e sinestésica […]

Uncategorized

Banda The Mad Dorothys lança EP, confira

Neste ultimo domingo a noite já corria boatos de que a banda The Mad Dorothys tinha novidades pra contar para os quase 200 “curtidores” da sua página no Facebook. Eram poucas informações e uma foto tirada no estúdio Takeout: Soundcloud | Bandcamp | Lastfm | Facebook Na segunda-feira (22), as meninas da banda compartilharam seu primeiro EP, contendo três faixas inéditas. A banda, formada em janeiro deste ano, possui musicistas de peso. Noemi Conrado, baterista, Kethlen Kohl, na guitarra, Mariana Barcellos Bittencourt, baixo e Claudya Lins Campos, no vocal. O Coletivo Metranca conversou com Kethlen e Noemi, conheça um pouco mais sobre as meninas e o som delas: Coletivo Metranca: Como surgiu a banda e porque o nome The Mad Dorothys? Kethlen: Não sei – hehehhehe – Noemi queria ser a Dorothy e disse que só assim seu sonho iria se realizar… Coletivo Metranca: Como se interessaram e iniciaram na música? Noemi: Sou envolvida com música desde criança, […]

Conheça o trabalho de Matheus Boaretto

O Coletivo Metranca conversou com o músico Matheus Boaretto, aqui de Joinville. Atualmente ele cursa a faculdade de Música na Embap, em Curitiba. Além da música, Matheus escreve frequentemente. Confira nosso bate-papo: Coletivo Metranca: Como e quando surgiu seu interesse pela música? Matheus Boaretto: Quem sabe quando eu tinha uns 14 anos. É. Por ai. É difícil responder a uma pergunta dessas com precisão, sempre fui apaixonado por música. Aliás, quem não é? foi nessa época que percebi que não conseguiria me enquadrar em algum campo fora das artes. Talvez uma escolha difícil, mas sem dúvidas prazerosa. Coletivo Metranca: Você sempre trabalhou voltado para o MPB? Matheus Boaretto: Não, não, experimentei todos os estilos, já toquei em bandas de rock, metal, cantei em coros eruditos e fiz participações em projetos de musica alternativa. Acho difícil rotular minhas músicas por conta da diferença entre uma e outra. E sim. Pretendo experimentar novos estilos […]

Capa Banda Clube Las Vegas

Conheça a banda Clube Las Vegas

O Coletivo Metranca conversou com Sergio, baterista da banda Clube Las Vegas de Joinville, que recentemente lançou seu primeiro EP. Conheça o trabalho deles: Coletivo Metranca: Como surgiu a ideia de produzir um som alternativo? Clube Las Vegas: Bom, eu sempre toquei em bandas de som autoral e na linha mais alternativa, os outros da banda também sempre foram nessa mesma linha, então pra nós isso é muito automático. Coletivo Metranca: Quais são suas influências? Clube Las Vegas: Gostamos muito de bandas de post-rock e guitarbands como Sonic Youth, Mogwai, Coctel Twins, Ride, Pavement, Radiohead. Coletivo Metranca: Como são feitas as produções e composições das músicas? Clube Las Vegas: Geralmente é tudo em ensaios, algumas bases de inicio vem de casa pelo Israel (guitarra) e pelo Stenio (baixo), mas a música realmente toma forma nos ensaios, processo coletivo mesmo. Coletivo Metranca: Quando e como surgiu a ideia de lançar um EP? Clube […]

Sem imagem

Conheça o EP “Num Segundo Qualquer”, de Paulo Reis

Por Kátia Dias O Coletivo Metranca conversou com o instrumentalista e compositor Paulo Reis, de São Francisco do Sul, que recentemente lançou seu primeiro EP intitulado “Num segundo qualquer” contendo três faixas. Click aqui e ouça o EP de Paulo Reis. Confira o bate papo que tivemos com Paulo: Coletivo Metranca: Como iniciou sua carreira musical? Paulo Reis: Então, eu considero que 1997 tenha sido o inicio, já que foi o ano em que comecei a tocar com a primeira banda e também compus minha primeira música. Coletivo Metranca: Quais suas maiores referências na hora de compor? Paulo Reis: Ouço tantas coisas e tão variadas, mas na hora de compor a coisa é diferente! Eu imagino que caras como Nei Lisboa, Vitor Ramil, Zeca Baleiro, Lobão, Pink Floyd, Pearl Jam e Los Hermanos devem ocupar, pela admiração que tenho por eles, o posto de referencias. Coletivo Metranca: Como é o processo de […]

Grupo Shyudaiko ministra aulas de Shamisen

O Grupo de Taiko Shyudaiko traz para Joinville o professor Tsukasa Kaito para ministrar aula de Shamisen. A iniciativa faz parte do projeto que foi aprovado pelo Simdec neste ano. As vagas são limitadas, e para reservar a sua, entre em contato no e-mail: taikojoinville@gmail.com. As aulas acontecem no Sesc Beira Rio, nos dias 16 e 17, sábado de domingo, a partir das 10h.  O Sesc fica na Avenida Beira Rio, sem número (ao lado do Big). Conheça algumas músicas: