Acordei do avesso

Era para estar legal, mas essa coisa toda de chicletes grudado no sapato acaba comigo.

Puta que pariu eu morri outra vez!Por isso essa sensação de câimbra, sempre que morro acontece isso.

Onde enfiei os cigarros?

Acordo do avesso sem saber onde estão os malditos cigarros (essa é a pior parte).

Não consigo entender porque quando morro prefiro usar os sapatos ao contrário.

Lembro que estava com uma pessoa comendo pastel as 6:00h da manhã na Feira da Glória. Vimos o nascer do sol, escutei toda sua história de vida e pela primeira vez alguém falava mais do que eu.

Foi assustador!

Depois os outros dias são como flashes, mas eu lembro que dancei com essa mesma pessoa em algum momento.

Então acordo com uma puta câimbra e morto.

gloria

Desde que decidi fazer merda nenhuma da minha vida estou nessa de morrer sem saber onde ou porquê?

Tenho certeza que foi depois do episódio das maçãs, lembro de começar uma discussão depois de ver maçãs da marca “Turma da Mônica” na geladeira. São maçãs perfeitas embaladas num plástico com um desenho para crianças, isso me irrita quase tanto as mini cenouras.

Eu nunca compraria aquela merda e elas estavam na minha geladeira! Tive um ataque de ódio por saber que alguém havia invadido minha geladeira e logicamente meu apartamento, comecei a jogar aquelas merdas de maças pela casa, arremessava com uma força que nunca tive, elas estouravam na parede. Quanto ódio cabe dentro da porra dessa embalagem de maças? Arremessei nas paredes, no espelho e num corpo que estava no sofá, depois morri.

Um ano e meio depois desse episódio, caminho por aí morrendo sem aviso prévio.

Estou encarando isso melhor, tentando entender a lógica desse morrer de forma mais tranquila, as vezes acho que é uma associação cósmica, movimento dos planetas, ou a quantidade de cigarros que fumo por dia.

Tento fazer alguma ligação com o que como, se é o que bebo, tentei beber pouco, muito, mas não morri nenhuma dessas vezes só vomitei.

Parei de tomar os remédios para epilepsia e nada, atravessei a rua sem olhar, nada…

Depois dessa noite, desses flashes sem recordar com quem estava, sem poder culpar ninguém, a certeza que morri é o que me resta.

Se ao menos eu lembrasse de algo, sei lá, a cara de alguém, para saber se me arremessaram de uma janela, se foi um tiro, se foi algo estúpido, como escorregar no banheiro.

Mas não, não lembro de nada e me sinto um merda por não saber como morri para não cometer o mesmo erro e ser poupado dessa câimbra.

Acordei com umas músicas antigas na cabeça que também não me remetem a nada.

Gostaria de entender porque continuo nesse morrer ridículo. O que me deixa mais tranquilo é que quando volto estou na minha cama, seria interessantíssimo descobrir como sempre volto para esse mesmo lugar. Sorte não ter despertado em meio a uma situação vexatória.

Mas o problema principal aqui é saber como faço para encontrar meus cigarros!

Gostou do conteúdo?


Curta a nossa fanpage no Facebook:  
e siga-nos no Twitter:  

O Metranca agora está aceitando conteúdo enviado pelos leitores!
Confira em: https://coletivometranca.com.br/contribua-com-o-metranca/

Veja Também

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*